Posts Tagged ‘Dr.Kenneth Cooper’

Resumo Capítulo 1 (parte 2), livro “Revolução Antioxidante” do Dr.Kenneth Copper

Segue abaixo um trecho retirado do livro: “Revolução Antioxidante“, Capítulo 1 (parte 2):

REVOLUÇÃO ANTIOXIDANTE

Capítulo 1

”Você não consegue vê-los. Nem senti-los. Eles deixam apenas vestígios fugazes de sua presença. Mas não se engane: Seu coração, seus pulmões, seus vasos sanguíneos, todos os seus órgãos e tecidos estão sob ataque constante de uma grande variedade de renegados biológicos. Mesmo enquanto você segura este livro em suas mãos, nenhuma parte de seu organismo se encontra protegida dos ataques destruidores destes bandidos moleculares, conhecidos como radicais livres.

(…) As últimas pesquisas demonstram claramente que estes inimigos letais para sua saúde e sua vida possuem íntimas relações com os seguintes problemas:

  • Cardiopatias e Vasculopatias: (…) os radicais livres são os verdadeiros culpados pela deterioração da LDL (conhecida como colesterol ruim, pois está associada à formação de placas nas artérias). Enquanto a LDL não se deteriora ou se modifica, aparentemente não é nociva.(…)
  • Câncer: Os radicais estão implicados em cânceres do pulmão, cérvix, pele, estômago, próstata, cólon e esôfago.
  • Cataratas: Turvação ou perda da transparência do cristalino podem ser consequências dos radicais livres.
  • Envelhecimento: A destruição e o enfraquecimento da pele e a deterioração orgânica, associados ao processo de envelhecimento, são agravados pelos radicais livres.(…)

A menção de outras doenças que as pesquisas médicas associaram à atuação insidiosa dos radicais livres no seu organismo se assemelharia ao índice de uma enciclopédia de medicina. Entre elas estão mais de 50 doenças como acidentes vasculares cerebrais, asma, pancreatite, inflamações intestinais, como diverticulite, colite ulcerativa, úlcera péptica, insuficiência cardíaca congestiva crônica, doença de Parkinson, anemia falciforme, artrite reumatóide, hemorragia cerebral e hipertensão arterial.

O que são exatamente os Radicais Livres? E como eles atuam?

(…) O movimento e o aspecto dessas moléculas são voláteis e imprevisíveis em contraste com as outras moléculas, pois em suas órbitas externas elas possuem um ou mais elétrons ímpares. Esta deficiência em suas estruturas faz com que elas busquem outras moléculas para se combinar.

(…) Os cientistas chamaram estas moléculas instáveis de oxigênio de radicais livres.

(…) O oxigênio estável é absolutamente essencial para manter a vida. Também deve ser mencionado que algumas moléculas instáveis de oxigênio (radicais livres) são benéficas, pois permitem o combate à inflamação, destroem bactérias e controlam o tônus dos músculos lisos, que regulam o funcionamento dos órgãos internos e vasos sanguíneos.

A chave para uma atuação eficaz e segura dos radicais livres no seu corpo é o equilíbrio; o problema, porém, é que os mecanismos delicadamente ajustados com frequência se atrapalham. Para corrifir a situação, o seu corpo produz radicais livres que atuam como lixeiros, conhecidos como antioxidantes endógenos, os quais engolem os radicais livres em excesso, impedindo que eles prejudiquem o organismo.

Alguns antioxidantes ingeridos através da dieta ajudam a fortalecer nossas defesas contra o excesso de radicais livres. Os antioxidantes externos (ou exógenos) mais importantes são a vitamina C, a vitamina E e o betacaroteno.

Infelizmente, nem sempre os sistemas de proteção interno e externo são adequados. O problema é que podem ser produzidos muitos radicais livres por fatores como poluição do ar, fumaça de cigarros, luz ultravioleta do sol, pesticidas e outros contaminantes nos alimentos, e até mesmo exercícios em excesso.

(…) Quando o organismo é sobrepujado pelo excesso de radicais livres, aqueles moléculas instáveis de oxigênio se transformam, de aliados, em predadores moleculares. Elas passam a atacar com sucesso partes saudáveis e partes doentes do organismo. Como consequência, surgem doenças do coração, vários tipos de câncer, e muitas outras doenças. (…)”

Retirado do livro: “Revolução Antioxidante”, 2005 – Editora Record, de Kenneth H. Cooper [Comprar o livro]

Anúncios

Resumo Capítulo 1 (parte 1), livro “Revolução Antioxidante” do Dr.Kenneth Copper

Segue abaixo um trecho retirado do livro: “Revolução Antioxidante“, Capítulo 1 (parte 1):

REVOLUÇÃO ANTIOXIDANTE

Capítulo 1

“Este caso me perturbou profundamente.

Werner Tersago já tinha mais de 40 anos, há mais de dez comparecia em meu consultório para exames de rotina, e sempre me dera a impressão de ser um de meus pacientes mais saudáveis e bem dispostos. No teste de resistência, ele normalmente estava classificado na categoria superior.  De fato, o seu desempenho neste exame era tão bom quanto o de excelentes atletas 20 anos mais jovens, um resultado que refletia o seu treinamento para maratonas e os quase 80 quilômetros que ele corria regularmente por semana.

(…) Os exames de sangue de Werner, incluindo os níveis de colesterol, estavam normais – provavelmente como resultado de sua dieta disciplinada rica em fibras e com pouca gordura. Sua pressão arterial também se encontrava dentro do limites normais.

(…) Então aconteceu – uma séria de dores de cabeça que culminaram um ano mais tarde em cefaléia intensa com perda do equilíbrio enquanto ele esquiava. A dor persistiu, levando-o a marcar alguns exames clínicos para descobrir o que havia de errado. Os exames diagnósticos revelaram um tumor cerebral, que de início parecia inoperável. (…) Werner parou de correr, mas reaprendeu a caminhar e continuou com os seus exercícios até algumas semanas antes de morrer.

(…) Pelo exposto, Werner não apresentava nenhum dos fatores de risco geralmente associados a um tumor cerebral maligno. Sua alimentação era exemplar, e não havia uma história de tumores cerebrais em membros de sua família.

(…) Várias tragédias semelhantes, envolvendo maratonistas e ultramaratonistas com diagnóstico de câncer em idades aparentemente precoces, também chamaram minha atenção. Continuei a indagar se havia uma correlação entre o excesso de corridas e o câncer.

(…) As respostas para estas estão surgindo na experiência de pessoas como Ruth Heidrich, uma corredora competitiva altamente condicionada que parecia gozar de uma excelente saúde até apresentar câncer de mama. Ela precisou submeter-se a uma mastectomia radical, pois o câncer havia se disseminado pela sua mama e possivelmente para os seus ossos e o pulmão esquerdo. (…) Mesmo sabendo que lhe restavam menos de dois anos de vida, ela decidiu que isto ocorreria no auge de sua energia e aptidão. Ela aumentou o número de quilômetros percorridos e acrescentou natação e ciclismo ao seu programa em preparo para o Triatlo (Ironman) Havaiano. O mais importante, contudo, foi que ela se tornou vegetariana, embora já houvesse substituído sua alimentação por uma dieta com pouco gordura, peixes e aves. A nova dieta vegetariana colocava ênfase no brócolis, cenoura, arroz integral e outros alimentos que lhe forneceriam doses maciças de antioxidantes como a vitamina C, vitamina E e betacaroteno.

Oito anos mais tarde, Ruth havia completado seis Triatlos Ironman, mais quarenta maratonas, e competia quase toda semana em corridas de meia distância. Atualmente, doze anos após a cirurgia, ela ainda se encontra com boa saúde, realizando exercícios e competindo em evento esportivos, totalmente livre do câncer.

A experiência de Ruth suscita duas perguntas:

  1. Seria o câncer uma consequência do seu programa de exercícios incial muito exigente e da ingestão de alimentos de origem animal?
  2. Houve influência das modificações alimentares e do aumento dos antioxidantes na regressão do crescimento do câncer?

À medida que você ler este livro, descobrirá que a resposta para estas duas perguntas, baseada em sólidas evidências científicas, é um ressonante SIM. Além disso, um número crescente de médicos atualizados com os últimos avanços estão se posicionando junto a pacientes como Ruth na defesa de antioxidantes, seja através do uso de suplementos ou de uma dieta restrita, para o combate ao câncer. E não apenas isto: estes médicos, entre os quais me incluo, estão aumentando a sua ingestão de antioxidantes. (…)”

Retirado do livro: “Revolução Antioxidante”, 2005 – Editora Record, de Kenneth H. Cooper [Comprar o livro]

Resumo Prefácio, livro “Revolução Antioxidante” do Dr.Kenneth Copper

Segue abaixo um trecho retirado do livro: “Revolução Antioxidante“, Prefácio:

REVOLUÇÃO ANTIOXIDANTE

Prefácio

“Atualmente, é difícil folhear um periódico médico, ler uma revista, abrir um jornal, ou mesmo assistir a um comercial na televisão sem encontrar referências aos antioxidantes ou radicais livres.

(…) Os radicais livres – ou moléculas instáveis de oxigênio, também conhecidas como a espécie de oxigênio reativo – estão agora implicados em mais de 50 problemas médicos, incluindo vários tipos de câncer, cardiopatia, envelhecimento precoce, cataratas, e até mesmo AIDS. O relacionamento com uma variedade tão grande de doenças sugere que os radicais livres não representam fenômenos periféricos isolados, sendo na realidade os protagonistas da maioria dos problemas de saúde no ser humano.

(…) Embora a possível relação entre os danos causados pelos radicais livres e as várias doenças seja postulada há muitos anos, só recentemente as pesquisas e a disponibilidade de tecnologia científica moderna permitiram conclusões mais definidas. Aprendemos que uma variedade de fatores, como a luz ultravioleta, a poluição do ar, os cigarros e até mesmo os exercícios exaustivos (do tipo ultra) podem produzir muitos radicais livres em nosso corpo.

(…) De fato, à medida que as pesquisas se ampliaram, ficou claro que a prescrição de exercícios apropriados se complica – especialmente quando se considera a exposição a gatilhos de radicais livres como o treinamento exagerado. Sobre este assunto, iremos discutir dois tópicos importantes:

o valor supreendente da atividade física de baixa intensidade na produção de benefícios sobre a saúde e a longevidade

a necessidade de um tratamento com vitaminas antioxidantes para combater os efeitos potencialmente nocivos do excesso de radicais livres causado pelo excesso de atividade física

Talvez o tópico mais interessante, e certamente o mais controverso neste livro, seja a noção de que exercícios em demasia – também denominados exercícios extenuantes – possam na realidade aumentar o risco de problemas médicos. (…) Além disso, não estou desencorajando a atividade física no indivíduo apto, que está atento aos sinais do seu organismo. Porém, recomendo fortemente o uso regular de antioxidantes, independentemente do grau de atividade física. (…) Mas existem evidências concretas indicando que os antioxidantes podem prevenir ou retardar o surgimento de muitas doenças, como o câncer e as cardiopatias.

(…) Finalmente, com o seu ingresso na aventura da Revolução Antioxidante, desejo-lhe boa sorte – e quero lembrar-lhe que o caminho para a aptidão é uma jornada, e não uma simples chegada. Por isso, após dar início ao programa, não espere que algum dia chegue lá ou finalmente consiga. Em vez disso, decida-se a permanecer nesse caminho para a saúde pelo resto de sua vida.

Retirado do livro: “Revolução Antioxidante”, 2005 – Editora Record, de Kenneth H. Cooper [Comprar o livro]

Resumo cap 2, Livro: “O que o seu Médico não sabe sobre Medicina Nutricional pode estar Matando Você”

Segue abaixo um trecho retirado do livro: “O que o seu Médico não sabe sobre Medicina Nutricional pode estar Matando Você”, capítulo DOIS:

O QUE SEU MEDICO NAO SABE SOBRE MEDICINA“(…) Em 1990 os Estados Unidos ficaram em décimo oitavo lugar em expectativa de vida, quando comparado às mesmas vinte e uma nações industrializadas de 40 anos antes. Apesar dos bilhões de dólares que os norte-americanos gastam em serviços de saúde, somos considerados uma das piores nações industrializadas do mundo quando se trata de expectativa de vida. (…)

Mais de 60 milhões de norte-americanos sofrem de algum tipo de doença cardiovascular (doenças do coração e dos vasos sanguineos); mais de 13,6 milhões têm doença arterial coronariana. Embora tenha ocorrido um decréscimo no número de mortes por doenças cardiovasculares nos últimos 25 anos, esta ainda permanece a causa número um de mortes nos Estados Unidos. Há mais de 1,5 milhões de ataques cardíacos por ano e aproximadamente metade deles, ou pouco acima de 700 mil, são fatais. Tristemente, cerca de metade dessas mortes ocorre menos de uma hora após o ataque, muito antes do indivíduo poder chegar ao hospital. (…)

Apesar da imensa quantidade de dinheito despendida em pesquisas e tratamentos para o câncer, este continua sendo a segunda maior causa de mortes nos Estados Unidos. (…)

Acho preocupante a atitude prevalecente entre os pacientes de hoje, que aceitam como inevitável o fato de que desenvolverão uma ou várias dessas doenças degenerativas crônicas. Eles vêem a medicina moderna como sua salvadora, e os medicamentos como sua cura. Tristemente, é só depois de adoecerem que os pacientes percebem como nossos tratamentos são, na verdade, ineficazes. (…)

A comunidade de serviços à saúde orgulha-se da promoção de tratamentos preventivos. Mas você já pensou um pouco sobre esse método? Os médicos, é certo, estimulam os pacientes a fazer exames de rotina para manterem sua saúde. Mas uma olhada mais atenta nas recomendações dos médicos nos leva logo à conclusão de que eles estão apenas tentando detectar doenças antecipadamente. Pense nisso. Como observei, os médicos efetuam rotineiramente exames de papanicolau, mamografias, exames de sangue e exames físicos com o objetivo primário de verificar se já há, em seus pacientes, alguma doença silenciosa. O que foi que se preveniu?

Obviamente, quanto antes essas doenças forem detectadas, melhor será para o paciente. O ponto que quero salientar aqui, contudo, é o pouco tempo e esforço que os médicos ou a comunidade de serviços à saúde, empenham em realmente instruir os pacientes sobre como esses podem proteger sua saúde. Em outras palavras, os médicos estão ocupados demais tratando de doenças para se preocuparem em instruir seus pacientes sobre estilos de vida saudáveis, que ajudem, antes de tudo, a evitar o desenvolvimento de doenças degenarativas.

Se desejarmos chamar algo de preventivo, então creio que esse algo deva, de fato, prevenir alguma coisa. Afirmo enfaticamente que a verdadeira medicina preventiva envolve estimular e apoiar os pacientes na adoção de uma abordagem tríplice: comer saudavelmente, praticar um programa consistente de exercícios e ingerir suplementos nutricionais de alta qualidade. Dar aos pacientes condições para evitar a contração de alguma dessas grandes doenças é a verdadeira prevenção. (…)

Creio que o Dr.Kenneth Cooper seja um dos principais médicos na área da medicina preventiva. Ele cunhou o termo aeróbica e deu início à febre dos exercícios no início dos anos 70.

Hoje, todos assumimos como verdade sagrada a que se teve de medicamente provado há apenas três décadas. Lembro-me de médicos discutindo em reuniões na época sobre se era correto incentivar os pacientes a fazer exercícios. O Dr.Cooper perseverou e continuou a divulgar os benefícios que os exercícios podiam trazer à saúde dos pacientes. No final dos anos 70, a maioria dos médicos passou a concordar com ele e a recomendar um programa modesto de exercícios. (…)

Os benefícios mais destacados eram:

  • perda de peso;
  • baixa pressão sanguinea;
  • ossos mais fortes e menor risco de osteoporose;
  • níveis elevados do colesterol “benigno” HDL;
  • níveis reduzidos do colestetol “maligno” LDL;
  • níveis reduzidos de triglicérides (gorduras);
  • aumento da força e da coordenação;
  • maior sensibilidade à insulina;
  • melhora do sistema imunológico; e
  • aumento geral na sensação de bem-estar.

E quanto aos hábitos alimentares? Os médicos sabem também que os pacientes que seguem uma dieta de poucas gorduras, que inclua aos menos sete doses diárias de frutas e vegetais, gozam de maiores benefícios à saúde. Estes incluem:

  • perda de peso;
  • redução do risco de diabetes;
  • redução do risco de doenças do coração;
  • redução do risco de quase todas as formas de câncer;
  • redução do risco de pressão alta;
  • redução do risco de colesterol elevado;
  • melhoras no sistema imunológico;
  • maior sensibilidade à insulina; e
  • maior energia e capacidade de concentração.

Tendo pesquisado a literatura médica nos últimos 7 anos, acredito firmemente que há benefícios significativos para a saúde na ingestão de suplementos nutricionais de alta qualidade, mesmo que você goze de excelente saúde. Para dizer de forma simples, os benefícios à saúde dos suplementos nutricionais são:

  • um sistema imunológico fortalecido;
  • um sistema de defesa antioxidante fortalecido;
  • redução do risco de doença arterial coronariana;
  • redução do risco de AVCs;
  • redução do risco de câncer;
  • redução do risco de artrite, degeneração macular e catarata;
  • possibilidades de redução do risco do mal Alzheimer, mal de Parkinson, da asma, da doença pulmonar obstrutiva e de outras doenças degenerativas crônicas; e
  • possibilidades de melhorar e muito o curso clínico de diversas doenças degenerativas crônicas.

Pacientes que iniciarem um programa consistente de exercícios, com uma dieta saudável, e tomarem suplementos podem mesmo melhorar de pressão alta, do diabetes e do colesterol elevado a ponto de dispensarem a ingestão de certos medicamentos? A literatura médica certamente sustenta esta possibilidade. (…)

Na verdade, porém, a maioria dos médicos, em seus consultórios, só fala de mudanças no estilo de vida da boca para fora, no momento mesmo em que estão preenchendo receitas. Perceba que os médicos costumam pressupor que a maioria dos pacientes jamais mudará seu estilo de vida e que a única salvação realista são as drogas que podem receitar. (…)

Todos conhecem os benefícios à saúde de um bom programa de exercícios e de uma dieta saudável. Poucos, contudo (e especialmente os médicos), têm algum conhecimento dos benefícios à saúde trazidos pela ingestão de suplementos nutricionais de alta qualidade. Já disse que fui um desses médicos desinformados. Mas incontáveis estudos provam que a tríade de uma dieta saudável, de um bom programa de exercícios e de suplementos nutricionais de alta qualidade é a melhor maneira de proteger sua saúde. É também a melhor maneira de tentar recuperar sua saúde após tê-la perdido. (…)

Você está disposto a fazer mudanças necessárias em sua vida para assegurar sua saúde? Acredito que uma vida física plena e abundante não tenha de começar a declinar após os 40 anos. Acredito que cada ano de sua vida pode ser o melhor de todos. É hora de parar de viver pouco e morrer muito!”

Retirado do livro: O que o seu Médico não sabe sobre Medicina Nutricional pode estar Matando Você”, 2004 – Editora M.Books, de Ray D. Strand, M.D. [Comprar o livro]

Resumo cap 1, livro: “O que o seu Médico não sabe sobre Medicina Nutricional pode estar Matando Você”

Segue abaixo um trecho retirado do livro: “O que o seu Médico não sabe sobre Medicina Nutricional pode estar Matando Você”, capítulo UM:

O QUE SEU MEDICO NAO SABE SOBRE MEDICINA“Eu já não sabia quanto de frustação ainda seria capaz de tolerar com a saúde declinante de minha esposa. E eu não era apenas mais um marido preocupado: era um médico. (…)

Finalmente, após testes e avaliações, os médicos disgnosticaram o problema de Liz como sendo Fibromialgia. Esta condição médica envolve diversos sintomas – os piores sendo a dor crônica e a fadiga. (…)

Como a fibromialgia não tem cura, tudo o que pude fazer para minimizar os sintomas de Liz foi carregá-la de medicamentos. Eu a fiz tomar amitriptilina à noite para dormir, antiinflamatórios para dor, relaxantes musculares, inaladores para asma e febre do feno, seldane para alergias e até mesmo injeções antialérgicas semanais. Apesar de meus esforços e de toda essa medicação, sua saúde piorava ano após ano. (…)

Quando perguntei quanto tempo levaria para que ela se recuperasse, a resposta foi que de seis a nove meses – ou talvez nunca.

Mais ou menos por essa época, uma amiga da família comentou com Liz que seu marido também tivera pneumonia e sofrera com uma grande fadiga durante a convalescência. Ele tomou certos suplementos nutricionais, e estes o ajudaram a recuperar as forças. Liz e sua amiga sabiam de minha atitude negativa com relação a suplementos nutricionais, então Liz tinha ciência de que precisaria de minha aprovação antes de experimentá-los. Quando me abordou, até eu fiquei surpreso com minha resposta: “Querida, pode tentar o que quiser. Nós, médicos, não estamos lhe fazendo nenhum bem.”

Para ser sincero, eu não sabia quase nada sobre nutrição ou suplementação nutricional. Na faculdade de medicina não tinha recebido quase nenhuma instrução sobre o assunto. E não estava sozinho. Apenas 6% dos médicos formando-se atualmente nos Estados Unidos têm algum treinamento em nutrição. (…)

Em função do respeito que têm pelos médicos, as pessoas presumem que somos especialistas em todos os problemas relacionados à saúde, incluindo nutrição e vitaminas. Antes de minha experiência de conversão a medicina nutricional, meus pacientes perguntavam-me com frequência se eu achava que tomar vitaminas trazia algum benefício à saúde. Eles levavam seus frascos de suplementos ao consultório e me faziam examiná-los. Eu franzia o cenho e, com minha expressão profissional mais astuta, examinava cuidadosamente os rótulos. Devolvendo os frascos, respondia que aquela droga não servia para nada.

Meus motivos eram bons: eu não queria que as pessoas desperdiçassem seu dinheiro. Eu acreditava realmente que aqueles pacientes não precisavam de suplementos e podiam obter todas as vitaminas que precisavam com uma boa dieta. Afinal de contas, é isso o que aprendi na faculdade de medicina. Eu podia até citar algumas pesquisas que apontavam o perigo potencial de certos suplementos. O que não dizia a meus pacientes é que eu não tinha passado um minuto sequer avaliando as centenas de estudos científicos que provavam o valor da suplementação para a saúde.

Mas o que fazer com minha esposa doente? Eu podia bancar o mágico profissional no consultório, mas, em casa, era apenas outro marido desamparado, vendo a esposa fenecer. Eu realmente não tinha escolha, e por isso disse à Liz: “Vá em frente, experimente as vitaminas. O que você tem a perder?”.

No dia seguintes, sua amiga nos trouxe um série de suplementos vitamínicos – carregados em antioxidantes: nutrientes como vitamina E, vitamina C e betacaroteno, que protegiam o corpo contra os efeitos nocivos da oxidação. Liz os engoliu com avidez, e emborcou ainda dois copos de líquidos para a saúde. Para meu espanto, em três dias ela se sentia visivelmente melhor. Fique feliz por ela, mas confudo. Conforme os dias seguintes transcorriam, Liz ganhava mais força e energia, e até mesmo ficava em pé à noitinha. Depois de três semanas ingerindo pílulas e tomando aquelas bebidas de aparência exótica, ela se sentia tão bem que parou com os esteróides e os tratamentos com nebulizador.

Três meses se passaram, todos trazendo melhoras graduais, e Liz não sofreu nenhuma recaída. Ela estava mais forte do que jamais se sentira em anos, e exalava uma renovada perspectiva para a vida. (…)

O que havia ocorrido? Eu estava aturdido. Se não tivesse sido testemunha ocular desta transformação, nunca acreditaria nela. Seria possível que algumas “vitaminas esquisitas” tivessem restaurado a saúde de minha esposa quando todos os medicamentos e toda a perícia médica eram incapazes de ajudar? (…)

Vasculhando uma livraria uma semana depois, vi um livro do Dr.Kenneth Cooper chamado “A Revolução Antioxidante”, 1994. O Dr.Cooper explica um processo chamado “estresse oxidativo”, que segundo ele, é a causa subjacente de doenças degenerativas crônicas – essencialmente um “quem é quem” dos problemas de saúde que flagelam hoje a humanidade. Devorei o livro. (…)

Pesquisas científicas demonstraram, para além de quaisquer dúvidas, que o estresse oxidativo, ou dano celular por radicais livres, é a causa primária de mais de setenta doenças degenerativas crônicas. O mesmo processo que faz o ferro enferrujar ou uma maça cortada ficar marrom é o iniciador subjacente de doenças como a arterial coronariana, o câncer, a apoplexia, a artrite, a esclerose múltipla, o mal Alzheimer e a degeneração macular. (…)

Saber quão livremente o estresse oxidativo prejudica o organismo foi algo que mudou minha perspectiva com relação às doenças degenerativas crônicas. Por exemplo, como o estresse oxidativo pode causar danos até mesmo ao núcleo de DNA das células, ele pode ser o verdadeiro vilão do câncer. (…)

(…) o Dr.Cooper descobriu que alguns atletas que treinavam intensamente acabaram enfrentando sérias moléstias crônicas. Todos mostravam sinais de estresse oxidativo… (…)

Somente no ano passado examinei mais de 1.300 estudos médicos editados por especialistas versando sobre suplementos nutricionais e o modo como estes afetam as doenças degenerativas crônicas. Esses estudos eram ensaios clínicos do tipo duplo-cego, controlados com placebo, o tipo que os médicos adoram. A suprema maioria destes estudos aponta uma melhora significativa de saúde entre pacientes que tomavam nutrientes em níveis otimizados, os quais são significativamente mais altos que o nível dos valores diários de referência.

Quando você conhece o tremendo dano que o estresse oxidativo inflige ao corpo humano durante a vida cotidiana normal, percebe o quão importante é otimizar seu próprio sistema de defesa natural. Sua saúde e sua vida dependem disso. (…)

Concluí, após muito estudo, que usar a suplementação nutricional em pacientes não é uma medicina alternativa, mas uma medicina complementar. Na verdade, isso pode representar o que há de melhor na corrente central da medicina, pois é um verdadeiro método preventivo. Tomar suplementos nutricionais não é erradicar doenças: é promover uma saúde vibrante.

Depois de avaliar os estudos médicos, já não tenho absolutamente dúvida de que aqueles dentre meus meus pacientes que tomam suplementos nutricionais de alta qualidade têm ganhos de saúde superiores aos dos que não tomam. Embora o paciente possa ter um problema de saúde específico, quando recomendo os suplementos não estou tratando necessariamente daquele problema em particular. Estou simplesmente cuidando para que o presente forneça a seu corpo nutrientes nos níveis otimizados – os quais, conforme demonstram estudos baseados em pesquisas médicas , proporcionam benefícios à saúde. Chamei essa abordagem à saúde de nutrição celular, algo que permite ao corpo realizar aquilo que Deus planejou. (…)”

Retirado do livro: O que o seu Médico não sabe sobre Medicina Nutricional pode estar Matando Você”, 2004 – Editora M.Books, de Ray D. Strand, M.D. [Comprar o livro]